Às vezes observo os casais por aí e percebo cometerem alguns erros que eu cometi. Posso dizer sem exageros que não tive segundas chances. A vida foi implacável com meus (nossos) erros. Mas vocês ainda têm! Então eu vou deixar aqui alguns conselhos sinceros para não deixar a peteca cair e evitar o pior, um dia.

Uma separação é um processo dolorido para quem vive e para quem assiste. Machuca quem vive, machuca a família, machuca os filhos. Machuca até o cachorro. Você não vai desejar que seu relacionamento se desgaste e acabe assim.

Você não vai querer ouvir o cara do cartório ler 5, 6 páginas de sei lá o quê que ele lê na sua frente e na frente da pessoa que está ao seu lado: alguém que fez parte da sua vida por muitos anos e que está prestes a se tornar um estranho. Você não vai querer discutir partilha de bens, quem fica com o quê, quem cuida do cachorro, quem fica com as crianças.

Você não se casou para, um dia, ter que passar por isso.

Então anota aí!

  1. Tenha momentos só pra você. Fazer tudo junto é bom, mas além de desgastar (e encher o saco, às vezes), é sadio – e é natural – que cada um tenha seus momentos, seus planos, seus rolês, seus interesses próprios. É inclusive muito bom para a relação! Mas os dois abrirem mão do que gostam, dos seus amigos, dos seus interesses, para fazer tudo juntos – é um tapa-buracos. Você está deixando de alimentar uma necessidade natural de todo o ser humano que é ter seus momentos à sós, e um dia essa necessidade vai cobrar a conta.
  2. Não deixe pendências passar. Diga o que deve ser dito. Diga o que te incomodou. Diga o que está te preocupando. Diga o que te magoou. Peça um tempo se estiver P da vida. Compartilhe o que sente, o que pensa. Não verbalizar aquilo que nos incomoda, vai formando uma imensa bola de neve dentro da gente – e um dia ela explode. Explode e acerta as outras pessoas! E pior: a outra pessoa não vai se lembrar mais do que está te incomodando, porque você não verbalizou na hora. Casamento é diálogo. Se você não consegue externar seus pensamentos e sentimentos com transparência, será que está preparado (a) para assumir algo mais sério?
  3. Seja responsável com as finanças. Não dê passos maiores do que a perna. Não desconte a ansiedade, os problemas e as infelicidades (que nós todos temos, às vezes) no consumismo. Se isso não é uma prática saudável quando a gente mora sozinho, menos ainda quando moramos com alguém. Nossa irresponsabilidade vai impactar a vida de outra pessoa também – e a relação.
  4. SIM: Momentos de lazer são cruciais. Por mais apertado que vocês estejam, não reservar um tempo para fazer coisas legais JUNTOS, não é a solução para os seus problemas. É a chave para mais problemas!!!
  5. Não seja vingativo (a) e rancoroso (a). Não jogue coisas na cara. Não use o ponto fraco da outra pessoa para desmoralizá-la ou enfraquecê-la – ou desafiá-la. Seja gentil com quem você ama e com quem ama você. Inclusive quando vier a vontade de voar no pescoço dele (a). Todas as outras pessoas do mundo podem fazer isso. Mas você não é o resto do mundo. Você é a pessoa escolhida para estar ali, na companhia de quem ama. Não jogue sujo. Seja amoroso (a), gentil, JUSTO (A).
  6. Não compita com seu cônjuge. SIM, você faz isso – ou vai fazer. Não é sobre quem é melhor do que quem, quem faz algo melhor do que quem, quem tem razão, quem não tem. É sobre conversar. É sobre se ajudar. É sobre atingir os objetivos do dia-a-dia JUNTOS.
  7. ESCUTE.
  8. Seja empático (a). Se coloque no lugar da outra pessoa sempre que possível.
  9. Encare os problemas de frente. Por mais difícil e doloroso que seja, postergar problemas é o caminho certo para o CAOS.
  10. Há horas em que eu vou ceder. Há horas em que vai se chegar a um consenso. Há horas em que eu vou ter minha vontade atendida. Não estou sozinha (o). Às vezes a outra pessoa precisa abrir mão de algo, às vezes sou eu. E isso é normal – é impossível a gente querer tudo igual o tempo todo, são duas pessoas diferentes que estão aqui.
  11. Não descuide da espiritualidade. É preciso estar em paz com o espírito e o coração para viver à dois. A instabilidade emocional e espiritual nos faz agir como porcos espinhos, toda vez que a outra pessoa se aproximar, ela vai se machucar com nossos espinhos.
  12. Olhe nos olhos. Não há nada que ligue duas pessoas mais fortemente do que a conexão pelo olhar. Abrace sempre. Muitas vezes você não precisa dizer nada – não são palavras que a outra pessoa está esperando. É um abraço, um toque, um beijo, um olhar afetuoso.
  13. Surpreenda a outra pessoa de vez em quando. Há maneiras bem simples de se fazer isso!
  14. Faça coisas juntos. É importante manter nossa individualidade, mas também é importante fazer coisas juntos.
  15. PERDOE.

Dizem que o casamento é difícil, e é mesmo. E eu não acho que seja difícil porque é difícil viver com alguém todos os dias, acordar todo dia do lado da mesma pessoas. Difícil mesmo é amar. Amar exige, muitas vezes, abnegação. Quem está disposto a isso?

Pra ilustrar o que estou querendo dizer, recomendo três filmes:

O Caminho para Casa

Diário de Uma Paixão

A Star is Born – o filme com a Lady Gaga, que acabou de sair dos cinemas.

O primeiro fala sobre abnegação. O segundo e o terceiro vão te mostrar bem direitinho que o amor, um dia, vai abrir uma ferida em você. A única forma de se proteger disso é não amar.

O que você prefere?

(Eu faria tudo igual).

Anterior Posterior

Deixe o seu recado!

voltar ao topo